HOME                                                                                                                                                                                                         FALE CONOSCO

Número de Obesos supera o de desnutridos no mundo.

O cientista estadunidense Barry Popkin, da Universidade da Carolina do Norte (EUA), informou que o número de obesos superou o número de subnutridos no mundo, em um seminário da Associação Internacional dos Economistas Agrários, na Austrália.

Atualmente, segundo Popkin, o mundo tem cerca de um bilhão de pessoas muito acima do peso e 800 milhões de desnutridos. Além disso, o pesquisador sugeriu uma idéia curiosa: Sobretaxar os alimentos que geram obesidade, assim como já existem impostos pesados sobre o cigarro.

"Ou subsidiarmos a produção de frutas, legumes e verduras, para as pessoas consumirem mais delas e terem uma dieta mais saudável" sugere Popkin.

Essa idéia de subsidiar dietas mais saudáveis já conta com o apoio do professor da Universidade de Minnesota Benjamim Senauer, autor de um estudo que compara os estilos de vida dos Estados Unidos, que têm uma alta taxa de obesidade, com os do Japão - onde o problema é pequeno.

Japão

A idéia de subsidiar dietas mais saudáveis já conta com o apoio do professor da Universidade de Minnesota Benjamim Senauer, autor de um estudo que compara os estilos de vida dos Estados Unidos, que têm uma alta taxa de obesidade, com os do Japão - onde o problema é pequeno.

"A família média japonesa gasta quase um quarto da sua renda em comida, comparado a apenas 14% nos Estados Unidos", afirma Senauer. Para ele, já que um imposto sobre a comida para diminuir a obesidade nos Estados Unidos dificilmente seria aceito, poderia haver uma diminuição nos subsídios à agricultura que levam aos baixos preços dos alimentos no país.

A atividade física diária também faz diferença na terra do Sol Nascente. "As cidades japonesas são baseadas em um transporte público eficiente e caminhadas. O americano médio vai para o trabalho e ao supermercado de carro, e caminha o mínimo possível", assegura Senauer.