Volta à Página Principal Veja as últimas Notícias sobre a Obesidade Sites de Assuntos Relacionados

OBESIDADE: A Epidemia

Cid, depois e antes da CirurgiaCONCEITOS

Definir a Obesidade não é difícil. Todo mundo sabe que a obesidade se caracteriza por um maior acumulo de gordura no corpo. Não se pode levar em conta apenas o peso de uma pessoa para considerá-la obesa. Hoje  há vários e modernos instrumentos de medição da composição corporal, entre eles, a bio-impedância, que através de eletrodos, analisa eletronicamente a composição corporal de uma pessoa. Mas o método mais comum e acessível é o IMC (Índice de Massa Corpórea), que é calculado dividindo o peso pela altura ao quadrado. Clique no link "Calcule seu IMC" dessa página e descubra o seu.

Por que uma pessoa engorda também é fácil.
A maior parte das pessoas, 99,9% ,  não tem nenhuma causa clinica para ser obesa, e apesar de muitas vezes não admitir, é gordo porque come errado e não gasta o que come. É matemática pura. Comeu e não gastou, engordou. Teoricamente simples. Mas na prática, não é tão fácil assim. Se fosse fácil, não haveriam médicos e nutricionistas obesos, haja vista que são letrados na teoria.  Porque as pessoas estão cada vez mais obesas? Porque essas pessoas engordam e comem mais do que deveriam? O que leva a existir cada vem mais super obesos, pessoas com mais de 200, 300 quilos? (Eu inclusive era um deles).

A EPIDEMIA

Em 1997, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já classificava o aumento do sobrepeso e da obesidade como epidemia. Em muitos países, mais da metade da população apresenta algum grau de excesso de peso. A epidemia é global, atingindo não somente países desenvolvidos, mas também os que estão em desenvolvimento.

Nos Estados Unidos, onde a situação é mais grave, 61% da população com idade superior a 25 anos apresentam excesso de peso. No Brasil, dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (PNSN) de 1989 mostravam que 32% dos brasileiros acima de 18 anos estavam com excesso de peso

Ações e esforços para se combater o sobrepeso e a obesidade estão sendo realizados. Doenças antes somente diagnosticadas em adultos, como a diabetes tipo 2 e dislipidemias, já são encontradas em crianças. Em algumas escolas, os lanches oferecidos estão sendo questionados. Guloseimas altamente calóricas estão sendo retiradas das cantinas.

A American Obesity Association (AOA) relata o impacto da sociedade moderna no aumento da inatividade física que, aliada ao aumento da oferta de alimentos altamente calóricos, faz crescer os números do excesso de peso. Entre as características observadas pela AOA estão:

  • Transporte: aumento da utilização de carro para percorrer pequenas distâncias, diminuindo a caminhada;

  • Em casa: utilização de máquinas de lavar, consumo de alimentos pré-prontos de alta quantidade calórica e passar muito tempo assistindo televisão, utilizando o computador ou vídeo game. Isso acarreta em diminuição de trabalhos manuais, elevando o consumo de alimentos calóricos e o tempo livre é utilizado com atividades sedentárias;

  • No trabalho: aumento de atividades que estimulam o sedentarismo, através do aumento da informatização. Diminuição de trabalhos que demandam atividade física;

  • Lugares públicos: utilização de elevadores, escadas e portas automáticas, diminuindo a atividade física cotidiana.

SOLUÇÕES

Não há fórmula mágica para se resolver o problema. Como se sabe, um problema com múltiplas causas deve ser combatido em diversas frentes, por uma equipe multidisciplinar e total adesão do próprio individuo ao tratamento. Não adianta mudar os hábitos alimentares sem incluir atividade física na rotina do individuo. Não adianta fazer o sujeito andar 3 horas por dia se ele continuar se alimentando com pastéis e caldo de cana. E mudar esses hábitos sem tratar o lado psicológico da pessoa também é paliativo. Remédios, shakes, dietas da moda funcionam por determinado tempo e depois, por uma questão de hábitos e muitas vezes de dinheiro, são abandonadas e o peso perdido, recuperado.

No meu entender, a única e eficaz maneira de combater a obesidade, sem ilusões, sem comércio  e sem apelo exclusivamente estético é através do tratamento multidisciplinar, que deve envolver vários profissionais, como Psicólogo, Nutricionista, Preparador Físico e equipe médica especializada.  Para os mais graves, a solução cirúrgica é o único método capaz de trazer o obesos a patamares possíveis de tratamento, pois não é fácil tirar do sedentarismo alguém com mais de 200 quilos.

Outra medida importante é a prevenção. Mostrar às crianças a importância do esporte e da alimentação saudável é tarefa prá lá de complicada, mas muito prazerosa e com resultados surpreendentes. Acredito que medidas primárias, como a instituição de aulas de nutrição na escola seriam muito úteis. Ensinar o valor nutritivo dos alimentos, ensinar diferenciar carboidrato de proteína é muito mais útil para a vida de um cidadão do que ensinar trigonometria. Proibir e deixar de vender alimentos em cantinas não é a medida mais inteligente. Temos que ensinar o ser humano a ser livre e saber usufruir de sua liberdade de escolha. Mostrar com exemplos e resultados prepara o individuo para a vida, pois quem não sabe nem escolher o que come, que tipo de decisões pode tomar na sua vida.